sábado, 14 de Abril de 2012

onda solidária com Es.Col.A



Ontem, sexta-feira 13, passava pouco das 5 da manhã, o EsColA recebeu o seguinte email:
“Anonymous está solidário com todos os voluntários (Ocupas) que se encontram envolvidos no Projeto Es.Col.A na Fontinha, Porto.
A mensagem destina-se ao presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Rio e a todos os intervenientes anti democratas que defendem a ordem de despejo dos voluntários do projeto.
Link:
https://www.youtube.com/watch?v=YWT4dFmSdPE
Compartilhem a mensagem nas redes sociais, para que esta chegue a quem de direito.
Obrigado.”

Hoje, sábado 14, o vídeo do youtube deixou de ser público, como se dá conta ao aceder ao link acima.Antes de passar a privado, esta manhã registava mais de 5.000 visualizações.

Eco das notícias difundidas sobre a ameaça do Anoymous a Rui Rio: 

Público
RTP [Nesta reportagem, a vereadora Guilhermina Rego "esqueceu-se" de dizer só há menos de um mês a câmara municipal do Porto contactou o Es.Col.A tendo em vista assinar um contrato de arrendamento do equipamento da ex-escola primária do Alto da Fontinha, cuja minuta foi enviada sem margem para negociações e com despejo adiado para 1 de Julho. A RTP, por seu turno, "esqueceu-se" de ouvir a outra parte do processo, ou seja, alguém do projecto Es.Col.A].


Eco da onda solidária com Es.Col.A:

Se ainda escutas a alegria de viver ouvirás o sinal para ficar
Declaração Conjunta de Apoio ao Es.Col.A do Alto da Fontinha, que partiu do Gato Vadio
Lá do Alto da Fontinha dá vontade de planar. Vê-se outra cidade a ser construída. Tijolo a tijolo, dia-a-dia, mão a mão, sorriso a sorriso. Aquilo que parecia um abismo – uma escola vazia, abandonada e arruinada – tornou-se o próprio espaço do sonho.
Com os pés assentes na terra, constrói-se a solidariedade, o espírito comunitário, uma ideia de utilidade pública alicerçada na ajuda mútua e na partilha livre do conhecimento. Ali faz-se ainda a democracia directa e participativa que falta. Ali aprende-se a estar vivo. Ali vê-se que a crise que nos quer amedrontados e pieguinhas, foge a sete pés. Não, nem a crise, nem um rio seco e sequioso, nem as cajadadas dos falsos democratas, vão estancar o fluxo desta Fontinha...
Neste momento decisivo, por uma exigência recíproca, cada um deve colocar ao outro as questões humanas e colectivas essenciais.
Esta declaração conjunta de apoio ao Es.Col.A já foi abraçada por vinte e dois colectivos e associações de vários pontos do país, e está aberta a mais adesões de quem quiser e quando quiser. Escreve-nos!
Lá do alto, diremos à cidade que rejeitamos o despejo decretado pela actual gestão do Município do Porto e estenderemos a mão a quem veio por bem e para ficar.

Assinam,

AIT/SP - Núcleo do Porto e Chaves
Assembleia Popular do Porto
Assembleia Popular de Coimbra
Associação Olho Vivo
ATTAC Portugal
Associação Casa da Achada - Centro Mário Dionísio (Lisboa)
Casa da Horta - associação cultural
Casaviv
Carl Orff Projeto
Centro de Cultura Libertária (Almada)
Colectivo Hipátia
Gaia
Gap - Grupo de Acção Palestina
Indignados Lisboa
AJA Norte - Associação José Afonso
Gato Vadio Livraria
Marcha Mundial das Mulheres
Partido Humanista
Plataforma 15 de Outubro
Portugal Uncut
Revista Rubra
Associação SAPATO 43
Terra Viva
Traga Mundos
Tribuna Socialista
União Operaria Nacional
Unipop
UMAR - União de Mulheres Alternativa e Resposta
+
Nós não recuamos
No espectro político nacional existem políticos com uma imagem bem mais reaccionária, como Valentim Loureiro ou João Jardim, mas nenhum autarca nas últimas décadas, apesar do ar Armani e da lábia à Mourinho, tomou decisões tão fascizantes como fez Rui Rio (seja nos despejos contínuos nos bairros
sociais do Porto, ou no Es.Col.A da Fontinha). Se emotivamente o populismo discursivo de alguns políticos nos pode irar, são as decisões políticas objectivas – que não caem do céu, mas que têm por detrás delas actos conscientes e a vontade de um homem –, que devem merecer a nossa mais resoluta resistência. Sobretudo, quando essas decisões são objectivamente antidemocráticas e fascizantes. Uma só assembleia aberta do Es.Col.A faz pela democracia o que uma década de farsa de Rui Rio fez pelo fascismo neoliberal. O que é extraordinário no Es.Col.A é existirem hoje centenas de pessoas que nunca passaram por lá e que sabem que o significado de resistir se traduz no facto de elas próprias, essas centenas de pessoas que nunca passaram por lá, já não recuarem. E esse é um dos méritos do Es.Col.A.


Outros apoios:


Outras notícias:

Jornal de Notícias
Semanário GrandePorto
Jornal i


O projecto Es.Col.A agradece a onda de solidariedade.

6 comentários:

hcarneiro disse...

Não consigo compreender como os "ocupas" da Fontinha podem compactuar com um movimento anónimo, intimidatório e anti-democrático como os Anónimos.

Ófeigur disse...

Contra o capitalismo funeral, cooperar, cooperar, cooperar!
Viva a ES.COL.A da Fontinha: viva a vida, viva a poesia!
Toda a minha solidariedade:

José Diogo

Ângelo Ribeiro disse...

@hcarneiro, não querendo falar em nome do es.col.a porque não represento ninguém nem fui mandatado para tal, não creio que o es.col.a compactue com este ou aquele movimento. sucede que existiu uma demonstração de solidariedade para o es.col.a por parte do grupo que referiu. A onda de solidariedade não se esgota nesse movimento, sendo algo muito mais abrangente, como poderá certamente observar. O es.col.a não escolhe solidariedades e cada um, individual e coletivamente, pode perfeitamente associar-se solidariamente com quem bem entenda. Escusado será dizer que, a existir alguma ameaça, a sua responsabilidade não poderá ser assacada ao es.col.a, portanto não vejo em que baseia a sua crítica ao movimento que apenas luta pela libertação de espaços públicos e pela sua recuperação e devolução à comunidade, algo que eu considero não só urgente como perfeitamente legítimo.

Anónimo disse...

É triste que tem que ser um braço brasileiros dos "Anonymous" a mostrar o seu apoio e nada se houve dizer de um eventual grupo português.

Digo brasileiro porque usam o termo "compartilhem" que não existe em português de portugal. Existe no português do brasil, como se pode ver, por exemplo, na versão brasilleira do Microsoft MSN Messenger, aplicação que, surpreendemente, é usada em portugal mesmo usando uma "lingua" que em que é quase impossivel de perceber o que se quer dizer e o que foi traduzido.
É muito mais facil usar uma versão em inglês ou, se existir, em português de portugal. Acredito que não exista, visto que o MSN tem um mercado minusculo (portugal e america latina) e, por isso, a Microsoft não gasta dinheiro nisso.

Anónimo disse...

a Es.Col.A. é exemplar e inspiradora, sabemos que renascerá mais forte. Força para todo o colectivo e para a comunidade da Fontinha. Abraços solidários!

a.s.

Leonor Areal disse...

O texto dos anónimos está integralmente transcrito aqui: http://offxore.blogspot.pt/2012/04/ola-rui-rio.html?showComment=1334881276526#c4884340002808171192

Alguém sabe por que foi tornado privado? que espécie de censura pode obrigar a tal? (uma denúncia?)